Novas regras para as máquinas de venda automática nas Instituições do Min. Saúde

O Ministério da Saúde, através do Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, estabeleceu novas regras para as máquinas de venda automática do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Estas regras foram estabelecidas no Despacho n.º 7516-A/2016 publicado a 6 de junho de 2016, com entrada em vigor três meses após a data da sua publicação (6 de setembro de 2016).

A publicação deste Despacho fundamenta-se na necessidade de desenvolver uma política alimentar e nutricional que envolva todos os intervenientes e que crie condições para que os cidadãos possam, de forma responsável, viver em saúde. Esta promoção da literacia em saúde não se esgota na disponibilização de informação, traduzindo-se também na adoção de políticas e práticas condizentes com a promoção de escolhas saudáveis.

A aplicação destas medidas nos contratos a celebrar, para instalação e exploração de máquinas de venda automática, pelas instituições do Ministério da Saúde, sejam da administração direta ou indireta do Estado ou os serviços e entidades públicas prestadoras de cuidados de saúde que integram o SNS, designadamente os agrupamentos de centros de saúde, os estabelecimentos hospitalares, independentemente da sua designação, e as unidades locais de saúde, determina que não podem contemplar a venda dos seguintes produtos:

  • Salgados, designadamente rissóis, croquetes, empadas, pastéis de bacalhau ou folhados salgados;
  • Pastelaria, designadamente, bolos ou pastéis com massa folhada e/ou com creme e/ou cobertura, como palmiers, mil folhas, bola de Berlim, donuts ou folhados doces;
  • Pão com recheio doce, pão-de-leite com recheio doce ou croissant com recheio doce;
  • Charcutaria, designadamente sanduíches ou outros produtos que contenham chouriço, salsicha, chourição ou presunto;
  • Sandes ou outros produtos que contenham ketchup, maionese ou mostarda;
  • Bolachas e biscoitos que contenham, por cada 100 g, um teor de lípidos superior a 20 g e/ou um teor de açúcares superior a 20 g, designadamente, bolachas tipo belgas, biscoitos de manteiga, bolachas com pepitas de chocolate, bolachas de chocolate, bolachas recheadas com creme, bolachas com cobertura;
  • Refrigerantes, designadamente as bebidas com cola, com extrato de chá, águas aromatizadas, preparados de refrigerantes ou bebidas energéticas;
  • “Guloseimas”, designadamente rebuçados, caramelos, chupas ou gomas.
  •  “Snacks”, designadamente tiras de milho, batatas fritas, aperitivos e pipocas doces ou salgadas;
  •  Sobremesas, designadamente mousse de chocolate, leite-creme ou arroz doce;
  •  Refeições rápidas, designadamente hambúrgueres, cachorros quentes ou pizas;
  •  Chocolates em embalagens superiores a 50 g;
  •  Bebidas com álcool.

Paralelamente os contratos a celebrar, para instalação e exploração de máquinas de venda automática de bebidas quentes, pelas instituições referidas, têm de reduzir as quantidades de açúcar que pode ser adicionado em cada bebida, para um máximo de cinco gramas.

Passa também a ser obrigatório contemplar a disponibilização de garrafas de água (entende-se como água mineral natural e água de nascente) e devem disponibilizar preferencialmente os seguintes alimentos:
 Leite simples meio-gordo/magro, iogurte meio-gordo/magro, preferencialmente sem adição de açúcar, sumos de frutas e néctares, pão adicionado de queijo meio-gordo/magro, fiambre com baixo teor de gordura e sal, carne, atum ou outros peixes de conserva e ainda fruta fresca.

As novas regras entram em vigor a 6 de setembro de 2016, sendo que as instituições do Ministério da Saúde tem um prazo de seis meses, se tal não implicar o pagamento de indemnizações ou de outras penalizações, para a revisão dos contratos em vigor no sentido da sua conformação com o previsto no presente despacho.

Destaques Comunicados AHRESP Agenda
Novo regime para o Alojamento Local
Linha de Crédito Capitalizar 2018
BREXIT – Preparação para Saída do Reino Unido da UE
Linha de Apoio IFFRU 2020
Newsletter AHRESP #55
Livro de Reclamações Eletrónico
AHRESP alerta para a urgência de uma nova Lei para o Arrendamento Empresarial
Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior
Receitas Turísticas Internacionais - abril
Newsletter AHRESP #54
Alterações legislativas do AL podem ter impactos muito negativos e injustificados
AHRESP apresenta nova fase do programa Seleção Gastronomia e Vinhos Açores
DIA MUNDIAL DO AMBIENTE
AHRESP lança segunda fase do Taste Portugal
AHRESP lança campanha de sensibilização para redução de plásticos
Restauração e Alojamento criaram mais de 21 mil novos postos de trabalho
NOVOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA AHRESP TOMARAM POSSE
AHRESP NA VICE PRESIDÊNCIA DA FEDERAÇÃO EUROPEIA ORGANIZAÇÕES CAMPISMO E CARAVANISMO
Eleições da AHRESP Triénio 2018-2021
Turismo continua a impulsionar evolução positiva da conjuntura económica
> 35º Festival Nacional Gastronomia | 22/10 a 01/11 | Santarem
> 10.º Festival do Marisco de Ribamar | 23 outubro a 1 novembro | Ribamar
> New Food Bizz | 29 outubro | Santarém
> 10º Aniversário da ASAE | 3 novembro | Porto
> IV Convenção HOTELSHOP/SOCIALSHOP | 04 novembro | Lisboa
> TTR– Feira de Turismo da Roménia | 13 a 16 novembro | Bucareste
> Semináruo 40 Anos ANCIPA | 17 de novembro | Lisboa
> XXVI FEHISPOR, FEIRA HISPANO PORTUGUESA | 19 a 22 novembro | Badajoz
> Alimentaria&Horexpo Lisboa e Portugal AGRO | 21 a 24 novembro | Lisboa
APAVT convida a debater "Turismo: partilhar o futuro"