Rendas. Inquilinos e empresários reafirmam preocupações com prazos de contratos

A AIL acrescentou, como consequências deste cenário, a redução da cobrança de impostos, aumento do desemprego e dos espaços devolutos e menor segurança nas ruas

As associações de inquilinos e empresários manifestaram, na comissão de monitorização da reforma do arredamento urbano, preocupações com a aplicação dos novos prazos legais dos contratos das rendas.

A Associação dos Inquilinos do Norte de Portugal (AINP) comentou que a possibilidade de o senhorio unilateralmente fazer o contrato cessar no final de sete anos (cinco anos do período transitório e dois anos de prazo certo de vigência do contrato), “pode não conferir ao arrendatário a garantia de recuperação do investimento realizado no edificado”.

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), por seu turno, alertou para o encerramento de empresas, como estabelecimentos de comércio de proximidade/tradicional, “designadamente na restauração e nos serviços, em consequência do aumento das rendas para valores que as atividades não conseguem acomodar”.

A AIL acrescentou, como consequências deste cenário, a redução da cobrança de impostos, aumento do desemprego e dos espaços devolutos e menor segurança nas ruas.

Com dados referente até 15 de novembro, a Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) indicou celebrar, em média, seis novos contratos de arrendamento não habitacional por mês e informou que “grande parte” dos seus 10 mil associados tem lojas sujeitas ao regime de rendas antigas.

Nas estatísticas da ALP, o valor médio de renda atualizada é de 400 euros mensais. Nos novos contratos de arrendamento não habitacionais os valores médios de renda são 600 euros.

A ALP indicou, ainda, que as situações de despejo por obras profundas devem ser em “pequeno número” e que não acompanhou qualquer processo deste tipo.

A Associação Nacional de Proprietários (ANP) informou que, no Porto, a renda média atualizada em função do Valor Patrimonial Tributário (VPT) é de cerca de 340 euros, “raras vezes atingindo os 500 euros”. Em Lisboa, esse valor, em média, está fixado nos 425 euros.

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) apresentou dados que mostram que o “valor médio de renda pedido em Portugal decresceu” em escritórios e lojas.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) registou que os aumentos propostos nos valores das rendas rondarão os 150 a 200%, havendo situações de 900%, embora envolvendo casos em que o ponto de partida inicial seja muito baixo.

A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) informou que a reforma tem tido um “impacto negativo” nas atividades do alojamento, restauração e bebidas e lembrou que as características mais marcantes nestes setores são a “estabilidade e a inamovibilidade”.

Fonte: Jornal i, 13.01.2014

 

Destaques Comunicados AHRESP Agenda
Newsletter AHRESP #55
Livro de Reclamações Eletrónico
AHRESP alerta para a urgência de uma nova Lei para o Arrendamento Empresarial
Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior
Receitas Turísticas Internacionais - abril
Turismo de Ar Livre e Campismo - abril
Newsletter AHRESP #54
Alojamento Turístico - abril
Newsletter AHRESP #53
Prémios AHRESP 2018
Alterações legislativas do AL podem ter impactos muito negativos e injustificados
AHRESP apresenta nova fase do programa Seleção Gastronomia e Vinhos Açores
DIA MUNDIAL DO AMBIENTE
AHRESP lança segunda fase do Taste Portugal
AHRESP lança campanha de sensibilização para redução de plásticos
Restauração e Alojamento criaram mais de 21 mil novos postos de trabalho
NOVOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA AHRESP TOMARAM POSSE
AHRESP NA VICE PRESIDÊNCIA DA FEDERAÇÃO EUROPEIA ORGANIZAÇÕES CAMPISMO E CARAVANISMO
Eleições da AHRESP Triénio 2018-2021
Turismo continua a impulsionar evolução positiva da conjuntura económica
> 35º Festival Nacional Gastronomia | 22/10 a 01/11 | Santarem
> 10.º Festival do Marisco de Ribamar | 23 outubro a 1 novembro | Ribamar
> New Food Bizz | 29 outubro | Santarém
> 10º Aniversário da ASAE | 3 novembro | Porto
> IV Convenção HOTELSHOP/SOCIALSHOP | 04 novembro | Lisboa
> TTR– Feira de Turismo da Roménia | 13 a 16 novembro | Bucareste
> Semináruo 40 Anos ANCIPA | 17 de novembro | Lisboa
> XXVI FEHISPOR, FEIRA HISPANO PORTUGUESA | 19 a 22 novembro | Badajoz
> Alimentaria&Horexpo Lisboa e Portugal AGRO | 21 a 24 novembro | Lisboa
APAVT convida a debater "Turismo: partilhar o futuro"