AHRESP entrega proposta aos partidos políticos

Associação de hotelaria e restauração pede reposição do IVA para 13%

A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) continua a insistir na necessidade de uma mudança ao nível da política fiscal, tendo entregue aos candidatos às legislativas e aos partidos políticos várias propostas nesse sentido.

A descida do IVA para 13% é um dos pontos em destaque. O Partido Socialista já respondeu positivamente a esta pretensão daquela associação profissional.

“A questão da fiscalidade, da sua estabilidade, da transparência, da simplificação e, sobretudo, da reposição do IVA a 13% na restauração, é um fator determinante para aliviar a carga fiscal que as empresas do setor têm sofrido”, refere a secretária-geral da AHRESP, Ana Jacinto. Esta medida terá de entrar em vigor já no próximo ano, contra os atuais 23%. Depois, em 2017, a associação defende a aplicação da taxa reduzida de 6%, como recomenda a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu. Para a Ana Jacinto não restam dúvidas que a fiscalidade excessiva está a asfixiar um setor essencial para a economia do país.

Adianta a responsável associativa que “por culpa do aumento do IVA existem perdas a todos os níveis, das empresas, dos postos de trabalho e do volume de negócios. Se nos reportarmos especificamente aos anos de 2012 e 2013, em que se fez sentir, de facto, o impacto do IVA, as perdas dispararam”. Por outro lado, a fiscalidade, em termos gerais, está também a revelar-se bastante prejudicial para o setor. “Tendo em conta que este setor de atividade é caraterizado por uma maioria de microempresas, a confusão de instabilidade e a pouca transparência, bem como a dificuldades ao nível da própria fiscalidade, não é bom seja para quem for. Estamos a sofrer uma constância de inconstância legislativa, o que não gera produtividade. Pelo contrário, dificulta muito a vida das empresas e o investimento.”

As propostas da AHRESP não se limitam ao IVA, há outros aspetos que a associação quer ver resolvidos o mais rapidamente possível, face à necessária competitividade exigível a um setor como aquele que representa. Ana Jacinto chama a atenção para a eliminação do regime de pagamento especial por conta (PEC), a par de uma diminuição efetiva da taxa social única (TSU). Não menos importantes são medidas como a simplificação de algumas obrigações declarativas ou a dedução a 150% dos custos de atualização dos sistemas automáticos de faturação, decorrentes de alterações legislativas.

Um estudo muito duvidoso

A dirigente associativa lamenta que algumas vozes venham afirmar que o aumento do IVA não tenha revelado o impacto esperado no setor, ou seja, que as taxas aplicadas não se tenham feito sentir junto das entidades a operarem neste mercado. Argumenta Ana Jacinto a este propósito: “O que foi apresentado num estudo, por exemplo, não corresponde à verdade. Dizer que o agravamento do IVA não teve impacto no setor e este continua a crescer não é correto. Acontece que se está a falar apenas do alojamento e não do setor como um todo, sobretudo da restauração. E Portugal não é exclusivamente Lisboa, Algarve e Porto. A análise traduziu-se em conclusões erradas. É o próprio INE que conclui que, entre 2008 e 2013 o setor da restauração e das bebidas só teve perdas e que, em 2012 e 2014, as perdas foram ainda maiores.”

Entretanto, a associação já se congratulou com a circunstância do programa eleitoral do Partido Socialista já contar com a intenção de descer a taxa de IVA da restauração para 13%. O presidente da AHRESP, Mário Pereira, reagiu assim a esta medida do PS: “Esta intenção deixa-nos satisfeitos porque significa que se reconhece a importância da medida para a recuperação de um setor que tem perdido milhares de empresas e, consequentemente, muitos milhares de postos de trabalho. A reposição do IVA é absolutamente vital para aliviar a carga a que as empresas estão sujeitas e permitir a Portugal competir de igual para igual com os maiores mercados turísticos internacionais.

Fonte: Vida Económica, 12-06-2015

 

Destaques Comunicados AHRESP Agenda
Newsletter AHRESP #57
Portaria de Extensão – CCT AHRESP | FESAHT – Restauração e Bebidas
Alterações à recolha de lixo (feriado de 1 de novembro)
Alojamento Turístico -agosto.2018-
Turismo de Ar Livre e Campismo -agosto.2018-
ATUALIZAÇÃO DE RENDAS PARA 2019
Estudo inédito reúne dados essenciais para apoiar empresas HORECA
CCT entre a AHRESP e a FESAHT - alteração salarial e outras
Newsletter AHRESP #56
Campanha #MENOS PLÁSTICO, MAIS AMBIENTE
AHRESP APRESENTA PROPOSTAS PARA ORÇAMENTO DO ESTADO 2019
AHRESP SAÚDA REALIZAÇÃO DA WEB SUMMIT EM LISBOA POR MAIS 10 ANOS
Alterações legislativas do AL podem ter impactos muito negativos e injustificados
AHRESP apresenta nova fase do programa Seleção Gastronomia e Vinhos Açores
DIA MUNDIAL DO AMBIENTE
AHRESP lança segunda fase do Taste Portugal
AHRESP lança campanha de sensibilização para redução de plásticos
Restauração e Alojamento criaram mais de 21 mil novos postos de trabalho
NOVOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA AHRESP TOMARAM POSSE
AHRESP NA VICE PRESIDÊNCIA DA FEDERAÇÃO EUROPEIA ORGANIZAÇÕES CAMPISMO E CARAVANISMO
> 35º Festival Nacional Gastronomia | 22/10 a 01/11 | Santarem
> 10.º Festival do Marisco de Ribamar | 23 outubro a 1 novembro | Ribamar
> New Food Bizz | 29 outubro | Santarém
> 10º Aniversário da ASAE | 3 novembro | Porto
> IV Convenção HOTELSHOP/SOCIALSHOP | 04 novembro | Lisboa
> TTR– Feira de Turismo da Roménia | 13 a 16 novembro | Bucareste
> Semináruo 40 Anos ANCIPA | 17 de novembro | Lisboa
> XXVI FEHISPOR, FEIRA HISPANO PORTUGUESA | 19 a 22 novembro | Badajoz
> Alimentaria&Horexpo Lisboa e Portugal AGRO | 21 a 24 novembro | Lisboa
APAVT convida a debater "Turismo: partilhar o futuro"