Refrigerantes e tabaco ficaram mais caros desde 01 de fevereiro

A partir do dia 1 de Fevereiro, comprar um refrigerante ou uma água aromatizada ficou mais caro ao consumidor. Além da ‘fat tax’ chegaram também novos aumentos nos cigarros.

O imposto extra sobre os sumos, refrigerantes com elevado teor de açúcar e águas aromatizadas chegou às prateleiras dos supermercados, com a restauração a prometer não reflectir a ‘fat tax’ nos preços, acomodando o novo imposto nos custos à semelhança do que aconteceu, em 2012, com o aumento do IVA. A medida vai render aos cofres do Estado 80 milhões de euros, à qual se juntará a receita adicional da venda de cigarros que também ficaram mais caros desde dia 01 de fevereiro, com um agravamento do Imposto sobre o Tabaco (IT).

Imposto sobre o açúcar vai variar entre os oito e os 16 cêntimos por litro através de dois níveis de taxação consoante teor de açúcar de refrigerantes e das bebidas com uma taxa de álcool entre 0,5% e 1,2% vol. A título de exemplo, uma garrafa de refrigerante vai ficar 15 cêntimos mais cara se tiver um teor de açúcar de até 80 gramas por litro e vai encarecer 30 cêntimos se o teor de açúcar for acima daquele valor, aumentos que já incluem o IVA.

Já o IT ditará um agravamento do preço dos cigarros de dez cêntimos. Quem fuma SG Ventil, , a marca mais popular produzida pela Tabaqueira,  vai ter de pagar 4,70 euros por maço a partir de dia 1 de fevereiro. Um novo aumento para os fumadores com a subida em generalizada da taxa do elemento específico em 3% e harmonização da taxa do elemento ad valorem para 16% nos cigarros, tabacos de fumar, rapé, mascar e tabaco aquecido.

Restauração diz que não vai repercutir nos preços

A nova fiscalidade sobre sumos e refrigerantes reforça as preocupações da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) quanto ao aumento de custos do sector, mas ainda assim o seu director geral antecipou ao Jornal Económico que “o sector não vai reflectir este imposto”. José Manuel Esteves explica aqui que os valores são mais simbólicos quando comparados com o aumento do IVA, em 2012, e que, mesmo neste caso, os preços não reflectiram a subida de taxa de 13% para 23%. Ainda assim, este responsável considera que “o consumidor poderá retrair o consumo destas bebidas”, salientando que ”esta taxa não se justifica como demonstra a experiência com décadas noutros países que não conseguiram o objectivos de redução de consumo de açúcar por esta via”.

José Manuel Esteves alerta que é um erro justificar a ‘fat tax’ com o consumo de açúcar, nomeadamente de sumos e refrigerantes, pois nestas estatísticas entram também os consumos de turistas, estando, neste caso, em causa “milhões de consumos”.

O dirigente da AHRESP considera, por isso, que o caminho para uma alimentação equilibrada exige boas práticas dos agentes económicos e sensibilização nas escolas sobre a temática. “A AHRESP tem sido sensível a estas questões do açúcar, já implementámos a redução da gramagem nos pacotes de açúcar, e todo o receituário está a ter um corte de 30% do açúcar, nomeadamente na pastelaria.

Impacto da ‘fat tax’ pode, em alguns casos, chegar em abril

Os refrigerantes e os sumos não têm um preço fixo e o impacto no consumidor pode chegar mais tarde. Isto porque, foi dado o prazo de quatro meses aos operadores para escoar os produtos em stock, antes da nova taxa começar a ser cobrada.

Segundo o OE/17, os comercializadores que tenham as bebidas alvo da ‘fat tax’ nos seus estabelecimentos no dia 1 de fevereiro de 2017, terão de contabilizar e comunicar à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) as respetivas quantidades, podendo vendê-los até dia 31 de março sem pagar imposto. A partir de dia 1 de abril de 2017, terão de pagar o referido imposto. As bebidas não alcoólicas contabilizadas como inventário a 1 de janeiro de 2017 consideram-se produzidas, importadas ou adquiridas nessa data.

Uma medida aplaudida pela AHRESP dado que permite aos comercializadores escoar stocks.

O IT e o imposto extra sobre os refrigerantes estão contemplados no OE/17, com a ‘fat tax’ a apresentar-se como medida para reduzir o consumo de açúcar em Portugal, que é o dobro da quantidade máxima recomendada pela Organização Mundial de Saúde, e alinhar com a estratégia orçamental de reforço da receita de impostos indiretos.

Também as bebidas não alcoólicas como águas, incluindo as minerais e as gaseificadas, adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes ou aromatizadas passarão a ser tributadas, sendo a receita consignada à sustentabilidade do Sistema Nacional de Saúde.

A ‘fat tax’ é enquadrada no Imposto sobre o álcool e as bebidas alcoólicas (IABA) e terá dois escalões de tributação: as bebidas com uma concentração de açúcar até 80 gramas por litros pagarão 0,82 cêntimos por litros (8,22 euros por hectolitro) e as bebidas cujo nível de açúcar ultrapasse os 80 gramas por litro pagarão 0,16 cêntimos por litro (16,46 euros por hectolitro).

Estes valores serão aplicados de forma proporcional à capacidade das garrafas e latas de refrigerantes e outras bebidas adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes (abrangidas pelo código NC 2202). É o caso dos concentrados, sob a forma de xarope ou pó, destinados à preparação, nas instalações do consumidor ou de retalhista, de bebidas adicionadas de açúcar. E também das bebidas com uma taxa de álcool entre 0,5% e 1,2% vol. (conhecidas como bebidas sem álcool) com açúcar adicionado vão ficar mais caros no próximo ano.

Isentas deste imposto ficam as bebidas à base de leite, soja ou arroz; sumos e néctares de frutos e de algas ou de produtos hortícolas e bebidas de cereais, amêndoa, caju e avelã. Às bebidas consideradas como alimentos para necessidades dietéticas não será também aplicada taxa.

 

Destaques Comunicados AHRESP Agenda
Costa debate Portugal 2030 com empresários no dia 27
Portugal pode atrair turistas que gastam mais 30%
CENTRO RECOLHE 71 TONELADAS DE BENS
Apoios Programa de Generalização das Refeições Escolares - ano letivo de 17/18
CONVITE - ‘Qual o impacto do Alojamento Local na Região de Lisboa?’
Caderno de Economia e Negócios AHRESP Nº02
Há turistas a mais em Lisboa? Não, talvez, depende...
Alteração Salarial e outras ao Contrato Coletivo de Trabalho entre a AHRESP e a FESAHT
Autocarros de Turismo de Lisboa
Produtividade dos ministros não se mede pelo número de leis assinadas
AHRESP lança ‘Rede de Restaurantes Portugueses no Mundo’ para enaltecer a gastronomia nacional
Linha de apoio a empresas turísticas afetadas pelos incêndios
AHRESP reforça apelo a solidariedade a Pedrógão Grande
Confirmando a expetativa da AHRESP
CAMPANHA de SOLIDARIEDADE com a REGIÃO CENTRO
AHRESP e CTP promovem workshops em todo o país para empresários do turismo
AHRESP retira 3,4 milhões de euros de custos às empresas do Canal HORECA
Turismo Decisivo Crescimento do PIB, do Emprego e das Exportações
AHRESP saúda aprovação da lei sobre a clarificação do Imposto do Selo
Publicação da Lei sobre a clarificação do Imposto do Selo em fase final
> 35º Festival Nacional Gastronomia | 22/10 a 01/11 | Santarem
> 10.º Festival do Marisco de Ribamar | 23 outubro a 1 novembro | Ribamar
> New Food Bizz | 29 outubro | Santarém
> 10º Aniversário da ASAE | 3 novembro | Porto
> IV Convenção HOTELSHOP/SOCIALSHOP | 04 novembro | Lisboa
> TTR– Feira de Turismo da Roménia | 13 a 16 novembro | Bucareste
> Semináruo 40 Anos ANCIPA | 17 de novembro | Lisboa
> XXVI FEHISPOR, FEIRA HISPANO PORTUGUESA | 19 a 22 novembro | Badajoz
> Alimentaria&Horexpo Lisboa e Portugal AGRO | 21 a 24 novembro | Lisboa
APAVT convida a debater "Turismo: partilhar o futuro"