"Portugal Sou Eu" e Casa do Arroz unem-se para promover o arroz carolino

O "Portugal Sou Eu" e a Casa do Arroz - Associação Interprofissional do Arroz, assinaram um protocolo com o objetivo de promover o arroz carolino, produzido exclusivamente em Portugal.

Esta parceria irá permitir alargar a divulgação do "Portugal Sou Eu" e aumentar o número de produtos com o Selo do programa, como reforçar a competitividade da fileira do arroz nacional, aumentando a sua visibilidade como produto de qualidade, dentro e fora de portas.

A Casa do Arroz representa, do lado da indústria, a ANIA - Associação Nacional dos Industriais do Arroz, a única associação da qual fazem parte cinco indústrias (Cecílio, Ernesto Morgado, Novarroz, Orivárzea e a Valente Marques), algumas destas já Empresas Aderentes ao "Portugal Sou Eu".

Do lado da produção, estão representadas na Casa do Arroz duas associações, que representam 75% da produção nacional: a AOP, que agrupa 530 agricultores em 20.000 ha, e a APOR, que agrupa 270 agricultores em 1.400 ha.

Em Portugal, a fileira do arroz emprega 2 mil agricultores e 500 operários fabris distribuídos por 12 PME, num total de cerca de 10 mil pessoas envolvidas, direta e indiretamente.

Portugal é o quarto maior produtor europeu de arroz com uma área de produção de 30.000 ha, gerando cerca de 180 mil toneladas de arroz em casca, que depois de transformado (descascado e branqueado mecanicamente) nas fábricas portuguesas rende cerca de 130 mil toneladas de arroz branco pronto a consumir.

Portugal é o maior consumidor de arroz da Europa, com 18kg per capita por ano e embora produza 60% do arroz que consome, principalmente das variedades Carolino, tem que importar os outros 40% (cerca de 100.000 toneladas das variedades Agulha, Basmati, Thai/Jasmim, entre outras).

Este programa pretende promover o consumo informado e dinamizar a oferta nacional com elevado valor acrescentado, como forma de melhorar a competitividade das empresas portuguesas, promover o equilíbrio da balança comercial, combater o desemprego e contribuir para o crescimento sustentado da economia. A fase II do programa "Portugal Sou Eu" foi lançada em agosto de 2016 e assenta numa reorientação estratégica no sentido de aumentar a notoriedade da marca "Portugal Sou Eu", disponibilizar melhor informação aos consumidores e garantir um maior envolvimento da sociedade civil.

No portal www.portugalsoueu.pt estão registadas mais de 1.500 empresas nacionais, cujos produtos ou serviços estão em processo de qualificação.

O Selo "Portugal Sou Eu" é atribuído aos produtos e serviços com base em critérios de incorporação nacional, marcas e patentes, emprego nacional e valor acrescentado nacional da empresa.

O programa valoriza, através do Selo, a produção nacional de produtos, serviços e artesanato. Já a atribuição do Estatuto "Estabelecimento Aderente Portugal Sou Eu" destina-se às empresas do comércio, restauração e afins que comercializam produtos "Portugal Sou Eu".

O "Selo" e o "Estatuto Estabelecimento Aderente" são uma mais-valia competitiva, uma vez que identificam a produção nacional, estimulam o reconhecimento e a valorização dos produtos e dos serviços de origem portuguesa e permitem aos consumidores uma escolha informada.

Os produtos e serviços que cumprem os requisitos de adesão ao Programa podem ser identificados pelo consumidor através do Selo "Portugal Sou Eu":

O "Portugal Sou Eu" tem financiamento do programa Compete 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, e é gerido por um Órgão Operacional formado pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), Associação Industrial Portuguesa-Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI), Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) e pelo IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação, IP, a quem compete coordenar este mesmo órgão.

Fonte: AgroNegócios Online, 19 abril 2017

 

Destaques Comunicados AHRESP Agenda
Fixação da época balnear
Vai nascer uma marca que une os restaurantes portugueses do mundo - Veja mais em: https://www.dinhei
Noite de Lisboa: Bares e moradores começam a fazer as pazes. O problema é a rua
AHRESP preocupada com "inconstância legislativa" no setor do alojamento local
Lista dos vencedores dos Premios AHRESP 2017
A Comissão Europeia elaborou um guia prático para a Saúde e Segurança no Trabalho
FESHAT - Pré-aviso de greve para 03 06 2017
Restauração e confederação do turismo contra a taxa turística
Vê Portugal”, a 4.ª edição do principal fórum nacional de Turismo Interno
Dia Nacional da Gastronomia Portuguesa "mata saudades" gastronómicas no aeroporto de Lisboa
AHRESP e CTP promovem workshops em todo o país para empresários do turismo
AHRESP retira 3,4 milhões de euros de custos às empresas do Canal HORECA
Turismo Decisivo Crescimento do PIB, do Emprego e das Exportações
AHRESP saúda aprovação da lei sobre a clarificação do Imposto do Selo
Publicação da Lei sobre a clarificação do Imposto do Selo em fase final
AHRESP Será recebida hoje na AR para debater alterações ao Código do Imposto de Selo
AHRESP com maior presença de sempre na BTL
Alojamento Local: maioria dos imóveis estava desocupada antes de ser convertida
INE divulga dados do emprego do 4º trimestre e Ano 2016
AHRESP exige que o Imposto do Selo seja suportado pelas instituições financeiras
> 35º Festival Nacional Gastronomia | 22/10 a 01/11 | Santarem
> 10.º Festival do Marisco de Ribamar | 23 outubro a 1 novembro | Ribamar
> New Food Bizz | 29 outubro | Santarém
> 10º Aniversário da ASAE | 3 novembro | Porto
> IV Convenção HOTELSHOP/SOCIALSHOP | 04 novembro | Lisboa
> TTR– Feira de Turismo da Roménia | 13 a 16 novembro | Bucareste
> Semináruo 40 Anos ANCIPA | 17 de novembro | Lisboa
> XXVI FEHISPOR, FEIRA HISPANO PORTUGUESA | 19 a 22 novembro | Badajoz
> Alimentaria&Horexpo Lisboa e Portugal AGRO | 21 a 24 novembro | Lisboa
APAVT convida a debater "Turismo: partilhar o futuro"