Sector da restauração diz que é um "disparate" proibir a loiça de plástico

Parlamento discute esta sexta-feira a proibição da loiça descartável no prazo de três anos para a substituição do plástico por materiais biodegradáveis. Sector da restauração e hotelaria diz que o caminho é a aposta na reciclagem.

A associação que representa a hotelaria e a restauração considera que é um "disparate" a proibição, ainda que a prazo, da utilização de loiça de plástico e acusa os partidos que quererem usar o sector como "bode expiatório" quando este tem sido "exemplar na agenda do ambiente". O caminho é a "aposta na economia circular", ou seja, nos mecanismos de reciclagem, defendeu ao PÚBLICO o director-geral da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares, José Manuel Esteves.

O Parlamento discute esta sexta-feira quatro projectos de lei do PEV, PAN, BE e PCP que proíbem a utilização de loiça descartável de plástico num prazo entre um e três anos e a adopção, pela indústria, de materiais biodegradáveis. A estes soma-se um projecto de resolução do PSD que pede a realização de estudos sobre alternativas ao uso deste tipo de materiais e a definição de uma estratégia para a redução gradual da sua utilização. Por arrastamento, PAN e BE propõem ainda a interdição da comercialização de detergentes e cosméticos com microplásticos.

"Este tipo de propostas é inconcebível e um disparate. Se há sector que tem sido exemplar no envolvimento com a agenda do ambiente e com a economia circular é o da restauração e hotelaria portuguesa. Lançámos um sistema de recolha selectiva pioneira em termos europeus, o Verdoreca, com a Sociedade Ponto Verde, através do qual se separam e reciclam todos os resíduos de embalagens. Se há sector cumpridor somos nós e não aceitamos lições", garante José Manuel Esteves. O responsável da AHRESP desafia: "Há algum estudo? Nem discutiram o assunto connosco!". E diz que a grande fatia do uso destes utensílios está "nos lares, nas festas, nos piqueniques e não na restauração, que está a ser usada como bode expiatório".

A discussão arrancou por iniciativa do PEV, em Julho do ano passado, que propõe a proibição do uso de plástico na produção de utensílios como talheres, pratos, copos, palhinhas, palhetes de café ou tigelas, substituindo o plástico por materiais biodegradáveis. Isto seria feito no prazo de três anos, tempo que o Governo usaria para apoiar a utilização de soluções alternativas para a produção com base nesses materiais "biodegradáveis ou compostáveis". A intenção é "mudar a oferta do mercado e não simplesmente proibir", diz a deputada Heloísa Apolónia, que afirma a total disponibilidade do PEV para discutir na especialidade prazos mais alargados (até cinco anos) e formas de introdução dos novos materiais. A proposta do BE segue exactamente os mesmos termos.

Mas os restantes partidos não vão por esta via do material de que é feita a loiça. O PAN quer obrigar a restauração a usar apenas loiça reutilizável, permitindo a "descartável em plástico" quando o consumo dos produtos se fizer fora do estabelecimento, fora das cantinas e bares no caso dos hospitais ou em meios de transporte aéreo ou ferroviário. O PCP segue o meio termo: proíbe o uso de utensílios de plástico nos "estabelecimentos e eventos comerciais abertos ao público", que devem usar utensílios reutilizáveis ou em materiais biodegradáveis, mas continua a permiti-los nos vendedores ambulantes, nas feiras e comemorações populares e nas instituições sem fins lucrativos que não concessionem bares, cantinas e eventos.

Fiscalidade verde
O PSD, que optou por um projecto de resolução, puxa do currículo em matéria verde - da taxa sobre os sacos plásticos à fiscalidade verde - para falar das "preocupações comuns" dos partidos que o poderá levar a viabilizar as iniciativas. Mas o deputado Bruno Coimbra salienta alguns problemas, como a necessidade de prever prazos mais alargados para os sectores se adaptarem - tanto os do comércio como os da produção dos utensílios.

O PS também só decidirá hoje o seu sentido de voto, garante ao PÚBLICO o deputado João Torres, que ficou com este dossier e que faz questão de vincar o quão "meritória" é a iniciativa do PEV. Mas realça as questões que estão a ser pesadas pelos socialistas. Desde logo o facto de o Governo estar a estudar o mesmo assunto num grupo de trabalho que deverá apresentar conclusões e propostas legislativas em Maio, a que se somam críticas sobre o curto prazo de três anos proposto pelo PEV, a proibição imediata da comercialização e importação dos utensílios que levanta problemas sobre a livre circulação de mercadorias no espaço europeu, a desproporção das possíveis multas e a exclusão da ASAE da função fiscalizadora (que é atribuída apenas à IGAMAOT). 

Fonte: Público, 1 de Fevereiro de 2018

 

Destaques Comunicados AHRESP Agenda
Alojamento Turístico -agosto.2018-
Turismo de Ar Livre e Campismo -agosto.2018-
ATUALIZAÇÃO DE RENDAS PARA 2019
Estudo inédito reúne dados essenciais para apoiar empresas HORECA
Newsletter AHRESP #56
CCT entre a AHRESP e a FESAHT - alteração salarial e outras
Vencedores ‘7 Maravilhas à Mesa’
15ª Edição dos Portugal Travel Awards
Campanha #MENOS PLÁSTICO, MAIS AMBIENTE
Comendador Mário Pereira Gonçalves
AHRESP APRESENTA PROPOSTAS PARA ORÇAMENTO DO ESTADO 2019
AHRESP SAÚDA REALIZAÇÃO DA WEB SUMMIT EM LISBOA POR MAIS 10 ANOS
Alterações legislativas do AL podem ter impactos muito negativos e injustificados
AHRESP apresenta nova fase do programa Seleção Gastronomia e Vinhos Açores
DIA MUNDIAL DO AMBIENTE
AHRESP lança segunda fase do Taste Portugal
AHRESP lança campanha de sensibilização para redução de plásticos
Restauração e Alojamento criaram mais de 21 mil novos postos de trabalho
NOVOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA AHRESP TOMARAM POSSE
AHRESP NA VICE PRESIDÊNCIA DA FEDERAÇÃO EUROPEIA ORGANIZAÇÕES CAMPISMO E CARAVANISMO
> 35º Festival Nacional Gastronomia | 22/10 a 01/11 | Santarem
> 10.º Festival do Marisco de Ribamar | 23 outubro a 1 novembro | Ribamar
> New Food Bizz | 29 outubro | Santarém
> 10º Aniversário da ASAE | 3 novembro | Porto
> IV Convenção HOTELSHOP/SOCIALSHOP | 04 novembro | Lisboa
> TTR– Feira de Turismo da Roménia | 13 a 16 novembro | Bucareste
> Semináruo 40 Anos ANCIPA | 17 de novembro | Lisboa
> XXVI FEHISPOR, FEIRA HISPANO PORTUGUESA | 19 a 22 novembro | Badajoz
> Alimentaria&Horexpo Lisboa e Portugal AGRO | 21 a 24 novembro | Lisboa
APAVT convida a debater "Turismo: partilhar o futuro"